terça-feira, 29 de outubro de 2013

CAPÍTULO 02

LUAS DE MARIAS
Em versão impressa (livro) e digital (ebook)!
Para garantir o seu, basta acessar:


Comprar versão impressa (livro):

Comprar versão digital (ebook): 
https://www.editoraviraletra.com.br/vira-letra-digital-pg-502a7






Ela se virou para mim quando parou o carro, no próximo sinal vermelho:

- Muito prazer, eu sou a Cristina.

Achei graça no jeito que falou, um tom bem humorado, solto, leve... Respondi sorrindo:

- Maria.

O sinal abriu, ela seguiu...

Quando virou a esquina eu pedi:

- Dá uma paradinha ali? 

Ela me olhou sem disfarçar a surpresa, mas me atendeu. Expliquei: 

- Tenho que pegar uma parada na casa do meu amigo.

Na mesma hora ela perguntou:

- Que parada é essa? Não é droga?

Entendi a preocupação dela. Tranquilizei-a:

- Não. Nada disso. É uma boneca que vamos usar na performance de hoje à noite. Vai ter um luau na Praia do Forte, você podia vir...

Antes que ela me desse a resposta, abri a porta e desci. Voltei alguns minutos depois, carregando Monique, uma boneca de pano muito maior do que eu. Ela sorriu... Divertida...

Perguntou já saindo do carro e vindo até mim:

- Quer ajuda? 

Abriu a porta de trás e avaliou as várias camadas de saias de tule que a boneca vestia: 

- Será que cabe?

Respondi já sentando Monique no banco:

- Claro que sim!

Assim que voltamos a entrar no carro, percebi a música que estava tocando: Flores Astrais” (Secos e Molhados). Parei para escutar... Cantei junto:



"Um grito de estrela vem do infinito

E um bando de luz repete o grito

Todas as cores e outras mais

Procriam flores astrais

Um verme passeia na lua cheia

Um verme passeia na lua cheia..."



Ela voltou a sorrir...

Quase esqueci para onde estava indo. Na verdade, quando vi já tinha passado um pouquinho. Falei:

- Me deixa aqui. 

Ela parou. Agradeci: 

- Valeu mesmo, viu? 

Beijei-a no rosto, desci, peguei Monique e antes de me virar e me afastar voltei a convidar: 

- Não esquece: hoje depois das dez na Praia do Forte. Eu vou cantar, aparece lá!



***

Fiquei sorrindo...

-Maria... Também...

Porém, nela era perfeito.

 – Maria... - Nunca havia gostado tanto de falar: - Maria...

Observei ela sumir da minha vista. Absorta na imagem, na voz calma, no jeito leve, gestos suaves e na paz que ela deixou no ar... Buzinas me invadiram o pensamento e me arrancaram daquele momentâneo lapso em meu raciocínio. Dei sinal e saí em direção ao retorno, pois havia me afastado do meu destino alguns metros... Mas meu sorriso, ainda tatuado no rosto, não permitia arrependimentos:

- Maluca...

Secos e molhados ajudaram no meu momento psicodélico...

“Um verme passeia na lua cheia...”Dirigi em direção a minha rotina cantando alto com Ney Matogrosso.

O dia no escritório passou sem grandes acontecimentos e sabia que Dona Hermínia havia providenciado tudo para o retorno de Diana e Inês. Relatórios, reuniões, correspondências e fofocas. Contava tudo a elas, inclusive sobre minhas saídas e entradas com datas e horários.

- Boa noite, Dona Hermínia, e ótimo final de semana...

Falei já na porta de saída... Porém a ouvi responder:

- Boa noite, doutora, e juízo.

Sabia que ela não fazia por mal, mas às vezes esperava que ela me tratasse como adulta da mesma forma que esperava isso de Diana e Inês.

Entrei na garagem do prédio pensando na garota da sinaleira...

No elevador... Lembrei do cheiro...

Entrei em casa sorrindo... Os cabelos em meu rosto...

Em meu quarto... Abri os botões da blusa, tirei-a... O toque de suas mãos em meus braços...

Entrei no chuveiro... O sorriso dela ao dizer... “Maria”.

Quando vi meu reflexo no espelho... Só conseguia lembrar daquele olhar a centímetros do meu...

Decidi arriscar...

- Um luau, faz séculos que não faço isso... Por que não?

Quando estacionei o carro próximo à praia, visualizei o grupo ao redor da fogueira. Muitas pessoas circulavam entrando e saindo da areia, outros saiam do mar, outros entravam...

Caminhei em direção ao grupo que dançava ao redor do fogo... Logo a vi...

Tenho certeza que Janis Joplin, assim como eu, ficaria extasiada se visse o quanto sua música combinava com o ritmo sensual que ela se movia... Quem sabe sentisse a mesma vontade que eu... De tocá-la... Sentir a pele, os cabelos, o corpo que balançava como se a música fosse ela... Uma sensação de melodia entrando em todos os poros do meu corpo a cada movimento do dela...

Abriu os olhos... Sorriu, eu também.



***

Palpitando... Pulsando... Respirando o andamento... O tom... As curvas da música... Inteiramente entregue... Imersa no prazer visceral que a voz de Janis impunha...



"Take it! (Leve!)

Take another little piece of my heart now, baby!

(Leve outro pedacinho do meu coração agora, baby!)

Oh, oh, break it! (Oh, oh, quebre!)

Break another little bit of my heart now, darling, yeah!”

(Quebre outro pedacinho do meu coração agora, querid@, sim!)





Então, mesmo sem saber ao certo o motivo… Como se precisasse, como se algo me chamasse ou alguém me tocasse… Abri os olhos… E a vi… Parada a alguns metros, me olhando fixamente… Sorri para ela... E ela para mim... Com um olhar estrelado, sem nuvens...

Caminhei diretamente para ela. Falei:

- Que bom te ver aqui.

Mas não fui ouvida:

- Quê?

Aproximei minha boca... Bem pertinho do ouvido... Repeti:

- Que bom que você veio.

Como resposta, voltou a sorrir.



“Oh, oh, have a! (Oh, oh, possua!)

Have another little piece of my heart now, baby!

(Possua outro pedacinho do meu coração agora, baby!)

You know you got it, child, if it makes you feel good..."

(Você sabe que pode, criança, se isso te faz sentir-se bem...)






A música terminou, e ela aproveitou para falar:

- Vou pegar uma bebida. Quer alguma coisa? Um vinho? Uma cerveja?

Apesar da amabilidade com que a pergunta foi feita, recusei, porque...

- Eu não bebo.

A primeira reação foi surpresa... Depois voltou a ser gentil:

- Nem um suco? Ou um refri?

Respondi sorrindo:

- Não, obrigada. Vamos começar a fazer um som agora. Você vai ficar, né?

E ela sem desviar os olhos dos meus:

- Eu vim pra te ver... Cantar.

Eu ri... Meio sem saber por que... Avisei:

- Não vai esperando muito, não sou cantora nem nada, só ensaiei algumas músicas com o Pedro... 

O olhar dela desceu... Permaneceu na minha boca... Durante um bom tempo... Pairou entre nós um silêncio... Que eu quebrei: 

- Ele insiste, insiste, e sempre acaba me convencendo... 

Recuei... Três passos... Ainda olhando para ela... Dei de ombros: 

- Fazer o quê?

E só então me virei... Sabendo que o olhar dela continuava em mim...

Foi assim a noite inteira. Cada vez que eu a procurava, ela estava lá, os olhos encontrando os meus, enquanto eu cantava, conversava com alguém, tocava triângulo ou pandeiro... Não se aproximou, nem eu. O contato entre nós apenas visual e, no entanto... Não me deixaria mais excitada se me acariciasse o corpo inteiro...

Não sei direito quantas horas passaram... Daquele jeito... Deliciosas e intermináveis... Até que eu não aguentei. Sussurrei para Pedro:

- Vou dar uma fugida.

Ele seguiu meu olhar... E imediatamente entendeu:

- Vai lá.

Ela sorriu... Absolutamente receptiva quando me aproximei... Como se dissesse: “Estava esperando por você...”

Mas não havia necessidade de palavras. Estava claro, tínhamos nos falado com os olhos, a noite inteira... Peguei-a pela mão, puxei-a, e ela veio...



***

O encantamento em vê-la se balançar tendo o céu estrelado como fundo e o barulho das ondas quebrando na praia, fazia daquele quadro, daquele contexto, algo surreal para mim. Era como se estivesse em um mundo paralelo ao meu. Ninguém ali estava preocupado com a roupa, com a maquiagem, com a performance sedutora...

Alguns se aproximavam, diziam alguma coisa, me perguntavam se queria fumar... Nunca fui muito adepta de maconha, apesar de na universidade conviver diariamente e fumar esporadicamente isso não fazia parte da minha vida. Não mais.

Mas, naquele momento poderiam me oferecer o que quer que fosse, não ia me interessar... Meu olhar estava preso naquele Ser, algo nela me prendia... Não sei se era o corpo, se era a voz, o brilho... A Lua, que via nela... Gravitei nela, a noite toda.

Se aproximou, no momento em que eu esperei que viesse...

Me puxou pela mão, não sei em que direção iria, não interessava mais o rumo, ela poderia me levar para onde quisesse... Assim que nos afastamos, o som ficou longe, o fogo era apenas uma vela na areia... Ela soltou minha mão, virou-se para mim, sorriu e levantou o vestido branco até a cabeça... Tirou-o, jogou de lado...

- Vamos entrar...

Esperou... Não consegui entender o que ela queria, pois a última coisa que eu pensei foi entrar no mar, dei um passo em direção a ela como se não houvesse outra possibilidade, sequer havia.

Fiquei a centímetros de seu rosto, não a toquei, mas senti todo o seu corpo vibrar e o meu respondeu no mesmo tom...

Ela esperou... O vento trouxe seus cabelos que roçaram em meu rosto... Aproximei meus lábios e a toquei de leve, ela retribuiu e afastou-se como se quisesse olhar o que ia beijar, sorriu... Roçou os lábios, sem pressa, experimentando, atingiu minha irracionalidade, o ponto em que pensar já não é mais permitido... Segurei-a pela cintura, o contato de minhas mãos na sua pele, seu corpo quase nu roçando no meu... O beijo foi o elo que faltava.

Senti-a entregue, se dando inteira... E eu a queria.

Lentamente fomos descendo, já não importava mais a areia, o mar... Segurei-a em mim, abriu-se lindamente sobre minhas pernas... Ficamos por alguns momentos assim nos percebendo, conhecendo, fazendo de cada descoberta um prazer... Gemidos, sons sussurrados, respirações... Percebi que já estava sem a roupa quando a areia roçou em minhas costas... Ela arrancava minhas roupas, me tirava abruptamente meu mundo... E... Eu deixava...



***

Eu queria mergulhar... Flutuar... Sentir... Molhar meu corpo, minha pele... Ela me proporcionou isso sem entrar na água... Com a respiração... As carícias... Os beijos...
Os lábios dela me levando... As mãos desvendando e... Por mais incrível que parecesse... Expandindo todos os limites que eu já tinha rompido... De conexão, pulsão, entrega... Não pedia, exigia... E a minha maior necessidade era atendê-la...

Ela não hesitou... Veio comigo... Igualmente se permitindo...

Só quando a fiz deitar na areia esboçou uma leve oposição:

- Espera...

Não parei o que estava fazendo... Continuei beijando, sugando o pescoço, ondulando meu corpo contra o dela...

- Quê?

A respiração ofegante dificultou, mas ainda assim, ela conseguiu me responder:

- Vamos sair daqui... Continuar... Em outro lugar...

Sussurrei:

- Não. É agora... Aqui...

E ela apenas assentiu...



***

Assenti aquela imperativa sentença sem a menor resistência, pois algo ali se manifestava e o medo de perder o tempo, o momento... Ela... Me fez transformar areia em plumas. Levantei o corpo o suficiente para forçá-la a virar-se... Sorriu...

- Gosta de ficar por cima... - Falou enquanto o beijo permitiu...

Sorri e a virei novamente... Respondendo quase sem ar...

- Quero te ver... De todas as formas...

Segurou meus braços no alto e deixou seus cabelos acariciarem meu rosto, fechei os olhos e senti seu corpo suavemente se esfregar no meu, no ritmo da música que ouvíamos ao longe... Dançava, sem pressa sobre mim... Senti-a em toda sua nudez, pele, sexo... Não suportei a ideia de prolongar minha vontade dela, beijei-a com necessidade e segurei-a pelos pulsos fazendo-a trocar de lugar comigo... Gemeu, contorceu-se como se buscasse saída, porém mais se entregava... Explorei-a com os lábios, com minhas mãos, com meu corpo... 

A lua atingia seu esplendor, sobre o mar... Imperfeita, porém linda.

Assim, com a sensação de que aquele contexto se complementava, um não existia sem o outro... Areia, mar, lua e ela... Deflorei aquele mundo como se disso dependesse o meu... Nossos corpos dançavam outra música, aquela que vinha do mar... Entrei, ela permitiu, se abriu... A possuí e me entreguei naquela alucinante melodia... Quase perdi o ritmo dela quando senti o tremor em meu corpo, ela segurou minha mão permitindo meu descontrole sem perdê-la... Gozamos juntas.   

 

***

Fiquei ali deitada de olhos fechados, sorrindo... Sentindo... Fluindo... O corpo dela largado sobre o meu... Depois de um último tremor... A respiração oscilando... Descontrolada ainda... Quase dentro do meu ouvido... O pulso no mesmo compasso que o meu seguia...

Inspirei... Expirei...

Ainda no ritmo narcotizante em que tudo tinha acontecido...

Ela se moveu... Levantou o corpo devagar... Me olhou... Sorriu... Um olhar de verão... Que fez a brisa quente me arrepiar... E a areia úmida amornar debaixo de mim...

Beijei-a... Ela correspondeu... Fui virando o corpo, trazendo-a junto... Fiquei por cima... Brinquei:

- Agora me vê assim...

Não estava satisfeita... Queria... Precisava... Senti-la... E que me sentisse... Mais ainda... Passeei... Acariciei... Toquei... Com os cabelos, as mãos, os dedos, a boca, a língua...

Ela deixou, se entregou, permitiu... Com um despojamento magnífico... Deliciosamente livre... Gozou pra mim...



***

A sensação de senti-la... Ali... Me devorando, com a língua... As estrelas... Quase conseguindo alcançá-las... A percepção de que a Terra é pequena demais para a extensão do universo que ela me mostrava... Senti a areia penetrar em minhas unhas quando fechei os dedos tentando suportar a explosão que senti em todo meu corpo...

Antes que eu conseguisse controlar a respiração, ela subiu se esfregando... Me beijou... Sorriu... E como sempre, imperativamente:

- Vem comigo...

Levantou-se e me levou junto, caminhou em direção ao mar... A sensação de sentir a água, as ondas, o calor... Foi surpreendentemente confortante... Ela virou-se, me puxou para junto dela...

- Adoro o mar depois do amor...

Me beijou...

Uma sensação estranha me invadiu... Muitas informações naquela simples frase...

“Faz isso sempre... Fizemos amor... Foi igual ao que ela faz com os outros ou outras...”

Não tive tempo de racionalizar mais nada, a vontade de recomeçar foi urgente quando ela virou-se e ficou de costas, sentia-a esfregando-se em meu corpo e minhas mãos a exploravam sem medo, sem dúvidas, sem receios... Até que ouvimos:

- Maria... Maria...

Ao longe, mas não paramos...

- Maria...

Mais alto. Ela respondeu sem sair do contato...

- Já vou... - Virou-se para mim, me beijou e disse: - Tenho que ir...

E saiu da água... Acompanhei por alguns momentos e fui atrás... Coloquei a roupa, ela apenas o vestido, deixou a calcinha na minha mão... Sorri...

Quando me aproximei ela já estava absorta no papel que tinha a desempenhar, fiquei ali... Observando de longe... Divertindo-me com a performance que apresentavam, até que uma cena me trouxe a realidade... O rapaz que havia cantado com ela a pegou pela cintura no final do ato e beijaram-se... Um beijo pleno, repleto de cumplicidade... Meu sorriso foi sendo substituído por nostalgia... Olhei para ela, assim que se soltaram e fui saindo devagar entre as pessoas que por ali circulavam alheias a minha súbita pressa de sair correndo dali...



***

Quando a performance chegou ao final, estávamos como sempre, com energia transbordando por todos os poros... Pedro estava ao meu lado, nos olhamos, ainda trocando... Natural passar meus braços ao redor do pescoço dele, ele me pegar pela cintura e nos beijarmos...

Quando nos separamos, olhei em volta, procurando por ela... Localizei... De costas, se afastando... Teria ido atrás, mas nesse exato momento, Kika surgiu na minha frente, me abraçou... Nos beijamos também...

Voltei a buscá-la com o olhar... Passei pelas pessoas, caminhei na direção que ela havia tomado na última vez que a tinha visto, mas não consegui mais encontrá-la... Tinha ido embora, provavelmente...

Fiquei ali parada, olhando para a ausência dela, estranhando o sentimento que surgiu... Desapontamento.

Não deixei que se estabelecesse.

Virei, voltei para a festa... Comecei a dançar... Mas não esqueci inteiramente...




CONTINUA...


Músicas que embalam o Capítulo: 
http://www.youtube.com/watch?v=M7kQbv4S8s8
http://www.youtube.com/watch?v=iJb7cBfrxbo



 


postado originalmente 05 de Novembro de 2013 às 18h. 




LUAS DE MARIAS
Em versão impressa (livro) e digital (ebook)!
Para garantir o seu, basta acessar:


Comprar versão impressa (livro):

Comprar versão digital (ebook): 
https://www.editoraviraletra.com.br/vira-letra-digital-pg-502a7


.

23 comentários:

  1. Aiiii.. Ameiii , perfeito Demaiis, Fica essa vontade louca de leer o próximo capitulo kkkkk, Parabéns, Vcs São Demais Mesmo !!
    Amo Ler tudo de vcs..
    bjinhoos ! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luzinete!
      Td bem, linda?
      Vc não imagina a minha vontade louca de postar o próximo capítulo! kkk
      Obrigadíssima!
      Espero que continue gostando das Marias...
      Onde a Cris foi se meter, né? kkk
      bjo ultra mega hiper suuuuper gigantesco!

      Excluir
    2. onde? Na areia, na praia, na... ops, quase escapa spoiller kkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  2. To adorando as Marias, só nao estou gostando de ter que esperar ate a proxima terça, rsrs.
    ja estava sem esperanças de que algo poderia salvar essa terça, obrigada meninas
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Manuela!
      Td bem, linda?
      Obrigadíssima! Que bom que está gostando!
      E aí, já arrisca um palpite sobre quem escreve quem? kkk
      Tá pertinho das postagens serem duas vezes por semana, de repente esta 5a feira já tem...
      bjo muito mais que ultra hiper mega suuuuuuuuper gigantesco!

      Excluir
  3. Muito bom, super bem escrito como sempre... mas que sem noção essa Maria, até me senti mal pela cristina. To achando que se chegar a ter um relacionamento entre elas a monogamia não vai reinar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, pois é... Digamos que a Maria vive num mundo diferente, mas... Acho que a Cris tá bem a fim de pagar pra ver, né não?
      kkk
      Com relação a monogamia... Por enqto as duas são solteiras, ninguém é de ninguém...
      Vamos ver no que vai dar...
      ;)

      Excluir
  4. uau,amei,que incrível,sempre me vejo lá no local dos seus contos,adoro isso,to amando,adoro praia,adoro a energia que essa galera meio hippie passa tbm,muito bom,bjão para as duas!! ass: aninha arwen

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aninha!
      E aí, linda?
      Esteve lá no luau então, é? kkk
      Que ótimo!
      Obrigadíssima por nos acompanhar mais uma vez, viu? Esperamos que vc goste das Marias!
      Ah, me diz: já arrisca dizer quem escreve quem? É fácil descobrir, não é não? rsrs
      ;)
      bjo imensamente super mega blaster hiper ultra imensamente especial!

      Excluir
  5. Olá, Di e Wind!
    Não costumo comentar mas com um título desses não teve como não me sentir praticamente homenageada :p
    Parceria perfeita a de vocês.. A história de Ana Clara, Farah e Benedito foi contada de um jeito incrível que, como sempre, prende a gente e as Marias (espero que a Cris me perdoe por chamar assim.. hehe) também prometem ;) Parabéns, meninas!!!
    Ah! Li em um dos comentários que estão com planos de lançar Amor indomável em ebook.. Concordo com a Diedra e esse é meu conto preferido! Já estou ansiosa pela publicação =)
    Até o próximo capítulo ;) Beijos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que legal!
      Tudo bem, Maria?
      Que bom que vc resolveu comentar, viu? Pra nós é super importante este retorno, obrigadíssima!
      Me diz: com qual das duas Marias vc se identifica mais? Ou com nenhuma? Ou com as duas? (curiosa aqui...kkk)
      Vamos publicar Amor Indomável em ebook e impresso, é só ter um kadin de paciência pq vai sair! É meu preferido, sem sombra de dúvida! Tá, eu sou suspeita, mas... É maravilhoso, né?
      Até amanhã, linda!
      bjo ultra mega hiper imensamente super giga!

      Excluir
  6. Boa tarde,Diedra e Wind!

    Sabia que iria amar este capítulo.Por coincidência,é o segundo romance,que você posta com nomes que eu adoro!kkkkk...Sandra e agora Maria,que por acaso,sou eu!..Sandra,é um sonho,ainda não realizado.Voltando à realidade...Obrigada,pelo e-mail solidário,estou bem! Quanto ao capítulo 2º...AMEI AMEI e caso não o tenha dito...AMEI!!!.Te gosto! BJS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Neusa!
      Td bem, lindona?
      Boa tarde!
      Para tudo e volta a fita! Como assim, vc é Maria? Neusa Maria, é isso?
      Conta, pleaaaaase? Sou curiosa... kkkk
      Espero que seu sonho com Sandra se torne realidade, viu?
      Amanhã tem capítulo 3 e talvez na 5a o capítulo 4, tá pertinho, só faltam 3 cotas, vamos torcer!
      Depois nos diz o que achou dos próximos caps e se já sabe quem escreve qual Maria, ok?
      bjo imensamente hiper mega super ultra enluarado!

      Excluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ué, que houve?
      Pq retirou o comentário, linda?
      :(
      bjo ultra mega hiper suuuuuuuuuper giga triste...

      Excluir
  8. Geeeente, o que é isso? Quando penso que não tem como
    nada ser melhor do que o Benedito vocês escrevem essa história que já começa
    assim mexendo de maneira altamente positiva com conceitos e preconceitos
    que habitam o meu ser em quase meio século de existência. Rs. Devo confessar que,
    embora esteja mais pra Cris do que pra Maria, me vejo agora com um certo desejo
    de adentrar um pouco nesse mundo da Maria e experimentar essa sensação de ser livre. Rs.
    Wind e Diedra, nem sei mais o que dizer sobre os seus escritos. É tão perfeita a forma e o
    conteúdo das suas histórias que nos parecem reais. Sempre me emociona muito!
    Vocês fazem a diferença. Muita paz e saúde sempre!
    Forte abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Celinha, Celinha...
      Vc é suspeita, viu?
      kkk
      Mexendo com preconceitos e conceitos, é? Ah, isso é MUITO bom!!!
      E olha que vc ainda nem viu nada, só começou... rsrs
      Mas então vc se identifica mais com a Maria Cristina, é? Só pq é advogada? Aaaaah...
      Mas a Maria tb é uma fofa, não acha?
      ;)
      bjo ultra hiper super mega infinitamente enluarado!

      Excluir
    2. Não só por ser advogada Di, mas convencional também. Na verdade a Maria que está me ajudando a expandir meus horizontes. Rs.
      Esse conto vai marcar demais minha vida, aliás todos os textos de vocês servem muito como aprendizado.
      Muito grata.
      Bjs

      Excluir
  9. Respostas
    1. Muito, mas muito obrigada mesmo, viu, Gynna?
      Mas a ideia da história foi da Wind eu só embarquei... kkk
      Confesso que foi mais uma viagem maravilhosa, espero que vc curta ler tanto qto eu curti escrever...
      bjo ultra mega giga!

      Excluir
  10. Bem, Diedra e Wind tem tempo já q leio tdoo q vcs escrevem, mas comentar, essa é a primeira vez... E q Deus e impossível não falar o qnto e maravilhosa a forma como escrevem, se em contos "solos" já era espetacular em "dueto" e perfeito... Sintonia única a de vcs...
    Eu já li praticamente tdo de vcs, me sinto quase amiga íntima... Kkk, e como se esperasse uma visita tda a terça e espero q logo tda quinta a tardinha tbm, pra tomar um chimarrão e bater um papo legal...
    grande abraço a vcs e prarabens e pouco a dizer pela escrita... Mas enfim Parabéns.

    ps. Adorando as Marias e esse clima hippie e fantástico...

    Paola

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paola!
      Td bem, linda?
      Como te agradecer, né? Nem sei... Vou tentar:
      Obrigadíssima!!!
      Que bom que deixou seu comentário, fez duas autoras muito felizes, viu?
      ;)
      Amanhã bateremos mais um papinho, espero que vc continue gostando!
      E aí, já tem um palpite sobre quem escreve que Maria?
      bjo muito mais que imensamente ultra mega hiper super gigantesco e hippie!

      Excluir